SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

PREVISÃO DO TEMPO

? ºC Marcelandia - MT
Titulo fixo

✦ Saúde

AEDES AEGYPTI 23/01/2019 21:52

Soluções caseiras conseguem repelir mosquitos?

Mais ecológicas e simples, essas soluções podem ajudar a manter mosquitos inofensivos à distância, mas tendem a ser pouco eficazes no caso dos mais perigosos, como o Aedes aegypti e o Anopheles.

 Um mosquito adulto vive apenas cerca de um mês. Mas durante esse curto período, ele incomoda muita gente, zumbindo e picando, tornando os fins de tarde e as noite um suplício – e, no caso dos mosquitos Aedes aegypti e Anopheles, transmitindo doenças graves como dengue, zika, chikungunya, febre amarela e malária. Para combatê-los, cresce o interesse das pessoas por repelentes caseiros, que não agridam o meio ambiente.

Quais suas vantagens e desvantagens? E quais são suas limitações?

Segundo os especialistas ouvidos pela BBC News Brasil, é preciso sempre ter em mente que os produtos industrializados são mais eficientes no combate aos mosquitos transmissores de doenças.

"Há várias substâncias naturais com propriedades de repelir insetos", diz o médico dermatologista Vidal Haddad Júnior, da Faculdade de Medicina de Botucatu, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), especialista em animais peçonhentos e que testa em laboratório repelentes de mosquito.

Ele cita como exemplos a citronela, a andiroba, o alho e as vitaminas do Complexo B.

"Todas repelem, com maior ou menor intensidade", explica Haddad. "O problema – e isso tem que ficar muito claro — é o quanto repelem. Se for para afastar os pernilongos comuns, do gênero Culex, dá para você ficar um tempo sossegado (livre de mosquitos). (O problema é) se for um Aedes, um Anopheles." Ou seja, para Haddad, os repelentes caseiros até afastam mosquitos, mas por conta do perigo trazido pelos transmissores de doenças, a recomendação é se proteger com produtos industriais confiáveis.

...Mas em áreas com alta incidência dos perigosos Aedes aegypti, é melhor não arriscar e usar repelentes industrializados, mais eficazes — Foto: LM Otero/Arquivo/AP Photo

Por isso, segundo ele, a questão não é se afastam ou não, é com que eficiência fazem isso em áreas de risco de doenças. "E é preciso considerar que não há comparação entre os repelentes caseiros e os industriais, que são muito mais efetivos", avisa. "Não desaconselho o uso dos primeiros, mas o usuário tem que conhecer suas limitações e levar em conta o lugar onde se encontra e seus riscos."

Isso significa que, em área de risco, não se deve confiar nos produtos caseiros.

Soluções caseiras preventivas aos mosquitos

Algumas plantas caseiras, como jasmim, arruda, alecrim e manjericão, são usadas para espantar mosquitos, por conta de seu odor forte e penetrante. É importante destacar, porém, que essa sabedoria popular não tem comprovação científica.

Ao mesmo tempo, não se pode esquecer que uma das melhores alternativas é matar os mosquitos no nascedouro, ainda enquanto são larvas, evitando-se que cheguem à fase adulta, quando se tornam de fato perigosos, transmissores de doença.

A fêmea desses insetos põe cerca de 300 ovos perto da superfície da água, presos à parede dos recipientes, e em cerca 36 horas surgem às larvas. Elas se transformam em pupa entre 5 a 10 dias e depois, em de 2 dias, em indivíduo voador. Desde o ovo até o final da sua vida, o Aedes, por exemplo, precisa de cerca de um mês e meio.

A forma de evitar isso é praticamente conhecida de todo mundo: deve-se se evitar o acúmulo de água limpa parada em garrafas de vidro ou PET, pneus velhos, tonéis e depósitos, pratinhos de vasos de plantas, vasos sanitários em banheiros não usados, bandeja externa de geladeiras, lixeiras, plantas que possam acumular líquido, ralos e calhas entupidas e lajes e outras superfícies desniveladas.

Mesmo assim, se ainda houver água acumulada, há soluções caseiras para evitar o nascimento dos mosquitos. De acordo com uma cartilha elaborada por pesquisadores do Laboratório de Bioprospecção de Recursos Regionais, da Universidade Federal do Ceará (UFC), a borra de café e a água sanitária (hipoclorito de sódio) podem ser usadas para isso.

No primeiro caso, são necessárias duas colheres de borra de café para um litro de água. No caso da água sanitária, usam-se 40 gotas (aproximadamente uma colher de sopa).

"Essas duas misturas devem ser utilizadas em locais que acumulam líquido, como plantas (principalmente bromélias) e vasos, já que elas não são prejudicadas", explica a farmacêutica e bioquímica Ana de Fátima Fontenele Urano Carvalho, do Departamento de Biologia da UFC, que participou da elaboração da cartilha. "No entanto, essas soluções não podem ser usadas em águas que servirão para consumo humano, como caixas ou filtros."

Ela conta que a equipe de pesquisadores da UFC descobriu também que extratos de algumas plantas podem ser úteis no controle das larvas de mosquitos da dengue. Essas espécies têm o efeito chamado de larvicida, porque matam as larvas antes que se transformem em adultos. Entre elas estão o agrião-bravo (Acmella uliginosa), a alfavaca (Ocimum basilicum), o capim-santo (Cymbopogon citratus), a erva-cidreira (Melissa officinalis), a hortelã (Mentha spicata), o mastruço ou mastruz (Coronopus didymus) e o limão (Citrus limonum).

Na mesma cartilha, os pesquisadores dão receitas de chás e extratos dessas plantas. Para chás: a cada três xícaras de chá de folhas, adiciona-se um litro de água, que deve ser colocada para ferver por 15 minutos. Para obter-se o extrato, tritura-se três xícaras de folhas, acrescenta-se um litro de água e deixa-se de molho de um dia para outro, agitando-se o preparado sempre que possível.

"Esses produtos devem ser colocados nos locais onde os mosquitos costumam colocar seus ovos, como plantas (principalmente bromélias) e vasos, pneus velhos e garrafas vazias, por exemplo", ensina Ana de Fátima.

"Mas é importante alertar de novo que essas receitas não podem ser usadas em águas que servirão para consumo humano, como caixas d'água ou filtros."

O biólogo e doutor em Parasitologia Newton Goulart Madeira, do Instituto de Biociências do câmpus de Botucatu da Unesp, reforça o cuidado que se deve ter com o controle e combate caseiro dos mosquitos que podem transmitir doenças.

"Receitas sem teste científico da eficiência pode comprometer a saúde de milhares de pessoas, por isso a minha desconfiança com elas", diz. "O mais eficiente é as pessoas controlarem os criadouros nas suas casas e o poder público fiscalizar os índices dos insetos e controlar quando estiverem altos."

Da BBC NEWS


Titulo fixo

Cidade News Online Comunicações

Rua várzea Grande - 906 - Vila Isabel - Marcelândia

(66) 9999-41856

contato@cidadenewsonline.com.br

Titulo fixo

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

Copyright © 2012/2019 - CIDADE NEWS ONLINE - TODOS O OS DIREITOS RESERVADOS AO PORTAL
CONTATO@CIDADENEWSONLINE.COM.BR 

Titulo fixo
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo