SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS

PREVISÃO DO TEMPO

? ºC Marcelandia - MT
T tulo fixo

✦ Mundo

China 19/03/2021 14:27

Quênia se torna 'vítima' da diplomacia chinesa da armadilha da dívida

A estratégia geopolítica do regime comunista chinês busca abrir novos mercados para suas empresas e ao mesmo tempo manter os recursos dos países mais vulneráveis ​​por meio de >armadilhas de dívida>.

 O porto de Mombaça, o mais importante do Quênia, pode cair sob controle comunista chinês se o governo africano não honrar uma dívida de 364 bilhões de xelins quenianos (cerca de 3,3 bilhões de dólares) que adquiriu com Pequim para as obras de uma ferrovia que liga a cidade de Mombaça com Nairóbi.

Num relatório apresentado pelo Parlamento queniano, assinado em 2019 mas agora conhecido, o auditor-geral do país revela que os bens da Autoridade Portuária Nacional (KPA) foram dados como garantia para o empréstimo de dinheiro para a construção da linha ferroviária. O documento acrescenta que a nação assim renunciou à imunidade em caso de litígio relacionado com o não pagamento desse crédito.

Do texto, entende-se que o descumprimento do acordo por parte do Quênia significaria a transferência dos ativos da KPA, entre os quais está o já citado porto de Mombaça.

O jornal queniano ‘The Star’ oferece mais detalhes em uma reportagem de 15 de março, mostrando que o país africano está em uma péssima situação. De acordo com a matéria, caso as controvérsias não sejam resolvidas de comum acordo entre as duas partes, “o local da arbitragem será Pequim e o idioma da arbitragem será o Inglês. Cada decisão da arbitragem será final e vinculativa para todas as partes”. Ou seja, possíveis desacordos serão encaminhados diretamente à Comissão de Arbitragem Econômica e Comercial Internacional da China.

Segundo o The Star, a ‘Kenya Railways Corporation’ não cumpriu suas metas de volume de passageiros e carga e está perdendo dinheiro a uma taxa de 1 bilhão de xelins por mês, dificultando os esforços para pagar os credores chineses.

A Rota da Seda, a estratégia perigosa da China

O contexto internacional em que pode ocorrer a aquisição do porto queniano pela China é preocupante. O líder comunista chinês, Xi Jinping, apresentou em 2013 a chamada Nova Rota da Seda (Belt and Road Initiative – BRI) da China, com um orçamento de 1 trilhão de dólares para infraestruturas destinadas a fazer ligações marítimas e ferroviárias entre o país e a Europa.

Desde então e desde a realização do segundo Fórum da Rota da Seda, diversos países como Cuba, Peru, Bolívia, Uruguai e Venezuela aderiram à iniciativa de acesso a empréstimos. Outros, como a Argentina, têm planos de ingressar neste ano.

Do outro lado, os Estados Unidos, que, como um dos principais detratores do plano, alertam para o perigo que o plano comunista chinês representa para a soberania e integridade regional. A Espanha permanece à margem da agenda de Pequim. Austrália, Mianmar, Malásia e Grécia também expressaram preocupação.

A estratégia geopolítica do regime comunista chinês busca abrir novos mercados para suas empresas e ao mesmo tempo manter os recursos dos países mais vulneráveis ​​por meio de ‘armadilhas de dívida’.

O Instituto de Estudos de Segurança na África alertou sobre isso: a BRI procura endividar outros países e depois forçá-los a fazer concessões econômicas ou políticas se os empréstimos não renderem. Já aconteceu com o porto de Hambantota, no Sri Lanka, cujas operações são controladas pela China, e agora pode acontecer no Quênia.


Farmacia avenidaBanner6Tupy supermercadosBanner lava jato centralAcemar 248A faixa verde 2EvertonLima gasPolaco eletrecista   copiaLima gas 1
T tulo fixo

Cidade News Online Comunicações

Rua Eduardo Gomes da Silva - 906 - Vila Isabel - Marcelândia

(66) 9999-56308

contato@cidadenewsonline.com.br

Copyright © 2012/2021 - CIDADE NEWS ONLINE - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO PORTAL
CONTATO@CIDADENEWSONLINE.COM.BR 

Crie seu novo site Go7
vers�o Normal Vers�o Normal Painel Administrativo Painel Administrativo